Após a Meta decidir alterar temporariamente a política das suas redes sócias (Facebook e Instagram), de modo a permitir a incitação de ódio contra militares russos e publicações que peçam a morte do Presidente Vladimir Putin, as autoridades iniciaram um processo judicial contra a empresa norte-americana, apelando que a justiça russa considere a Meta como uma organização